terça-feira, 1 de julho de 2008

Jura secreta 26

num tempo em que fui de minas
entre montanhas e rimas
entre os jardins e currais
forjado a ferro os canteiros
Cecília e seu romanceiro
escorrem seus dedos longos
nos versos tristes que inventa
como uma outra Cecília
sobrenomes também eu invento
frente as costas do espelho
linda e nua
enquanto língua pele e lua
pelo bico dos teus seios
saliva nos teus fluxos
com o cheiro dos teus flexos
quando despida em teu amor
o amor despido é nosso sexo
Cecília goza pelas costas
e por todos os continentes
quando mar transborda nas encostas
quando rio se encharca pelas frentes
quando cravo as unhas
rente nos teus flancos
frente e verso nos papéis e testamentos
e seus dedos longos escorrem
em tristes outros pensamentos
e os re/versos de Cecília
diante do espelho também re/invento

Nenhum comentário: