terça-feira, 1 de julho de 2008

Jura secreta 13

o tecido do amor já esgarçamos e
m quantos outubros nos gozamos
agora que palavro itaocaras
e persigo outras ilhas
na carne crua do teu corpo
amanheço alfabeto grafitemas

quantas marés endoidecemos
e aramaico permaneço doido e lírico
em tudo mais que me negasse
flor de lótus flor de cactos flor de lírios
ou mesmo sexo sendo flor ou faca fosse
Hilda Hilst quando então se me amasse

ardendo em nós salgado mar
e Olga risse


olhando em nós
flechas de fogo se existisse

por onde quer que eu te cantasse
ou amavisse

Nenhum comentário: