segunda-feira, 30 de junho de 2008

transe

quando penso tua boca
fico tenso
calo e grito

e os céus na minha língua
repenso

nos caldeirões do infinito

Nenhum comentário: