sábado, 28 de junho de 2008

sangração das minas

quando penetrei teus Montes Claros
rocei os pêlos das montanhas brancas
flocos de neve entre as tuas coxas
onde a boca me engolindo falo/dedos
como se no pátio
as Minas não tivessem trancas
nem nos currais as cancelas

como se o esperma
do meu corpo quente
fosse somente
o alimento delas
mastigando entre seus dentes
de jaguatirica
sangrado fui teu Ouro Preto
quando devorei tua Vila Rica


Nenhum comentário: