segunda-feira, 30 de junho de 2008

injúria secreta

Suassuna no teu corpo
couro de cor compadecida
Ariano sábio e louco

inaugura em mim a vida
pedra do reino no riacho
gumes de atalhos na pedreira

menina dos brincos de pérola
pétala na mola do moinho
palavra acesa na fogueira

pós os ismos tudo é pós
na pele ou nas aranhas
na carne ou nos lençóis

no palco ou no cinema
a palavra que procuro
é clara quando não é gema


até furar os meus olhos
com alguma cascata de luz
devassa em mim quando transcende
lamparina que acende
e transforma em mel o que antes era pus

Nenhum comentário: